Estrada de ferro e grama

Toca a velha trilha sonora dedilhada no violão, enquanto trilho outra vezes pelos mesmos trilhos. O peito mais forte ainda sofre por dores que se assemelham àquelas que outrora me fizeram perder o norte. O caminho, ainda mais gélido, já não é tão verde quanto o que meus castanhos olhos fotografaram na última vez em que caminhei por aqui, sem rumo.

E ele, todo surrado, cheio de marcas do tempo e com uma corda a menos, me acompanha em minha solidão. Ali, tão cheio de cicatrizes e um pouco empoeirado, olhando os passos de um par de tênis desamarrado, sobre aquela estrada de ferro abandonada, tomada pelo mato. E o trem era eu, fazendo barulho em minha própria cabeça.

A chuva e o vento me pegam de jeito. Me fazem abaixar a cabeça e cruzar os braços. O frio não me abala. Meus cabelos e minha roupa encharcada só demonstram o que carrego aqui dentro. Demorei a entender, mas, enfim, chegou o fim. O fim de uma longa e árdua jornada que eu tanto batalhei para, no fim, não dar em nada.

A música em meus fones me pede pra ser feliz e jogar minhas bad feelings para o ar. Meu rosto até esboça um sorriso, me lembrando de tudo que passei. É. A lágrima já secou, mas o peito inchado ainda me conta tudo o que eu queria esquecer. Será que vai demorar mais do que das últimas vezes em que também fui derrotado?

A velha trilha sonora já faz parte da minha vida. Na velha trilha da minha vida, caminho. E, mesmo que eu siga só, desistir é um nome forte demais pra ser mencionado.

Rabisque abaixo

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s