Samus Returns – Explorando o jogo

Atenção! Este post não se importa com spoilers. Portanto, se você não quer saber deles, aviso que não é uma boa continuar lendo, apesar de que, mesmo assim, eu ainda acho que valha a pena continuar.

Em 2017, a Nintendo lançou para Nintendo 3DS, Metroid – Samus Returns, um remake desenvolvido pela Nintendo EPD e MercurySteam, para apresentar aos novos fãs o jogo original Metroid – Return of Samus, de 1991, lançado para gameboy.

Veja aqui o vídeo de lançamento

História
Após os acontecimentos de Metroid Zero Mission (e a série Metroid Prime), Samus Aran é enviado pela Federação Galáctica para o planeta natal dos Metroids, SR388, exigindo a extinção da espécie. Esse é o jogo da série que apresenta os diferentes estágios de metamorfose da criatura: alpha, gamma, zeta e omega. Todos possuem vulnerabilidade com Ice Beam e, combatidos de forma estratégica, podem não apresentar tantos problemas para o jogador. Por fim, Samus encontra a Queen Metroid que, no jogo original, era o Final Boss.

Veja a análise de Victor Gurgel, para o jogo:

Assim como seu jogo original, Samus Returns é quase todo linear, devendo o jogador voltar, na maioria das vezes apenas para completar a maioria dos itens, algo que não faz muita falta para a progressão do jogo, ótimo para quem está com pressa de retornar à nave. Os cenários são interessantes, mas pouco memoráveis. Eu diria que a área mais bonita do jogo é a Area 5 (as áreas desse jogo foram apenas numeradas), lar de power-ups interessantes, como Gravity Suit, Phase Drift, Plasma Beam e Screw Attack.

Metroid Fandom

A propósito, é neste jogo que você conhece a Gravity Suit mais bonita da saga não-prime

Reddit

Ao entrar na área, você vê como aqui tudo é mais verde: plantas, algas, cogumelos e uma quantidade boa de água – o que indica que logo você será revestido da armadura roxinha da caçadora de recompensas, permitindo livre movimentação em ambientes aquáticos e invulnerabilidade contra danos ocasionados por lava. Aqui também é apresentado um remix de uma música clássica da série metroid – o remix de Brinstar, área presente em Super Metroid.

A trilha sonora

Por falar em música, Samus Returns não é um jogo memorável, apesar de ser bem elogiado por Chris Carter, do Destructoid, que as chamou de “assustadoramente belas”. Vamos ver algumas delas que, na minha opinião, são maravilhosas:

As músicas foram compostas por Daisuke Matsuoka e dirigida por Kenji Yamamoto , o mesmo que co-compôs a música para o jogo Super Metroid (SNES – 1994).

Ancient Chozo Ruins

Arachnus Boss

Surface of SR388

Essa já era ótima no jogo original. Aqui, só melhoraram.

O retorno de Magmoor Caverns / Lower Norfair

Uma das melhores músicas de Super Metroid, Lower Norfair traz aquela ambientação pesada de se estar próximo de um dos bosses mais temíveis do jogo: Ridley. Aí, eles pegaram a música e, simplesmente, jogaram em salas onde a temperatura é mais alta (e exige a Varia Suit). A música continua ótima, mas seu uso foi exagerado e tirado de contexto, quebrando o clima em certos momentos do jogo, quando retornado a uma sala de temperatura ambiente. Péssimo!

Novos meios de se batalhar

Se você acha que aqui o negócio é só atirar e escapar dos ataques inimigos, sinto lhe dizer que você passará por boas dificuldades no jogo, principalmente se você ainda não chegou à Area 3 e encontrou o Spazer Beam. Para jogadores que não estejam a utilizar estratégias em combate, até os inimigos mais comuns irão te dar dor de cabeça. Além disso, até essa área, você terá, no máximo, quatro tanques de energia.

O contra-ataque foi uma boa adição à série e já está certo para o próximo metroid 2D (Metroid Dread), porém, o fato de os inimigos serem um pouco mais agressivos, faz com que o uso deste se torne obrigatório, o que é um problema para cenários verticais. Aqueles momentos em que você consegue subir uma plataforma e, antes que possa se reestabelecer, um desavisado ataque te derruba, te obrigando a realizar o mesmo processo. Pra piorar, por alguma razão, a armadura de Samus é menos resistente do que nos jogos anteriores. Um dano simples é capaz de consumir quase metade de um tanque, enquanto danos dos bosses podem tirar quase dois tanques completos.

Pouca variedade de inimigos

Se tem uma coisa que o jogo peca é na variedade de inimigos. Praticamente em todas as áreas os inimigos são os mesmos. O que muda fica a cargo da cor (devem ser shinies, ou algo do tipo) e do golpe mais poderoso.

40 Metroids

Sky Pirate Primer

Para que você possa avançar, é preciso detonar uma quantidade específica de metroids em cada área. É tanto metroid que chega a cansar o jogo (sério, no início, eu morria tanto para os Gamma Metroids que tive vontade de largar o jogo). Para piorar, na última área, ainda aparecem mais 10 Standards Metroids para você derrotar.

Lembre-se: se você apenas tentar derrotá-los lançando mísseis no ponto fraco deles, você terá uma enorme dificuldade para avançar (principalmente no início). Metroids são vulneráveis a raios de gelo, saiba bem onde atirá-los. O contra-ataque também te ajudará bastante, se você usá-lo no momento certo. Por fim, em algumas partes da batalha, deve-se apenas observar e desviar dos ataques.

O melhor boss (e o mais difícil)

Metroid Fandom

Diggernaut é aquele boss que você vai odiar por anos por ele ter te tirado dias de sono por ser tão asqueroso e difícil, mas, acredite, o robozão detona. Ele é criativo, cheio de táticas e não vai deixar barato, além de te derrotar com poucos golpes, mesmo que você já tenha os dez tanques de energia (ele tira dano pra caramba).

O jogo não o apresenta logo de cara, ele quer te dar aquele clima de tensão primeiro. Ao tentar pegar um power-up de um Chozo, você nota uma sala destruída e uma estátua decapitada. Aí, entra uma música tensa (a melhor do jogo) pra te deixar em pânico por não saber o que te espera.

Você é o presunto que falta pro sanduíche dele

Sim, você vai morrer muitas vezes só nessa parte. A falta de conhecimento do cenário e a falta de piedade do boss vão te levar várias vezes à tela de game over. É preciso ter destreza, pensar rápido na sua próxima ação e não permitir que ele te encoste. E não estamos falando do Hard Mode, liberado após zerar o jogo pela primeira vez, estamos falando do nível de dificuldade padrão do jogo. Por sorte, em cada parte da fuga, o jogo te concede um check point.

Um bom tempo depois, quando você já esqueceu o bicho, ele finalmente retorna como Boss da Area 6. Fique atento às brechas, pois um único dano é capaz de remover cerca de um tanque e meio de energia (e você não dispõe de muitos), sem contar que o boss possui mais de uma fase. Como ajuda, você pode se utilizar da Lightning Armor (Aeion Hability).

Aeion Habilities

Os power-ups do jogo já são bem comuns à quem conhece a série, por isso, não falaremos deles aqui. Mas, caso você queira saber quais são, dá uma olhada aqui.

Introduzidos neste jogo, as habilidades Aeions são úteis para ajudar no progresso do jogo e estão localizadas em áreas distintas. Você as escolhe pelo D-Pad do 3DS e pode usá-las gastando certa quantidade da barrinha Aeion (a mesma para todos).

A primeira que você recebe é a Scan Pulse, um X-Ray aprimorado. Com ele, você pode ver passagens e itens secretos e exibir parte escondida do mapa, mesmo que você esteja em outra sala, permitindo que você economize tempo de procurar os coletáveis ou a progressão do jogo. Pra quem gosta de jogar a série de forma mais obscura, com foco na exploração, basta não utilizar o mecanismo.

Lightning Armor é uma mão na roda para jogadores inexperientes, como eu, que morrem por qualquer sopro do inimigo. Contando com um jogo cheio de inimigos agressivos, esta habilidade te permite sobreviver algum tempo a mais nas batalhas, aumentar seu contra-ataque e permitir passar pelos caminhos de flores venenosas. Uma boa ajuda para bosses como Diggenaut e os Metroids mais avançados.

Burst Beam é aquela habilidade pra quem gosta de um jogo mais agressivo. Samus vira uma portadora de metralhadora detonando até os inimigos mais resistentes (mesmo para o Plasma Beam). Ele gasta uma quantidade boa da barra de Aeion, mas os inimigos derrotados costumam dropar uma boa quantidade para recuperá-la.

Phase Drift é o substituto do Speed Booster, fazendo todo o jogo (exceto você) ficar mais lento.

Ele de novo

Você é uma criança bonitinha, comportada, com seu gameboy na mão, jogando o difícil jogo Metroid II – Return of Samus e acabou de derrotar Queen Metroid. Você se depara com um ovo em que nasce outro Metroid que começa a te perseguir, acreditando que você é a mãe dele. Então, você resolve levar o filhote para sua nave, para ser estudado pelos cientistas. Você comemora por conseguir vencer um jogo tão incrível quanto este.

26 anos depois, você tenta o mesmo feito no seu 3DS. Ao terminar de salvar a pequena criatura, você corre pra sua nave e zera, certo?

ERRADO!

Primeiro, há uma boa área na parte final pra explorar. Você descobre que o pequeno Metroid é capaz de comer os cristais em seu caminho. Por conta disso, você se vê obrigado a voltar para as outras áreas para conseguir encontrar os últimos coletáveis e, assim, terminar o jogo com 100%, algo impossível antes de conseguir o pequeno filhote. Por sorte, você conta com teletransportadores, não-incluso no game original, visto que não era necessário. Não é preciso retornar no momento em que você encontra o baby metroid, o jogo te garante um teleporter próximo à sua nave.

Ah, você já pegou todos os itens ou não se importa com isso? Ótimo, vamos correr para a nave, certo? Não! Antes que você possa fugir de SR388, um inimigo já comum vai te impedir: Ridley, que não tinha nada a ver com o jogo, aparece. Agora, você deve usar todas as suas habilidades de jogo e derrotá-lo para, finalmente, finalizar o jogo.

Considerações Finais

O jogo original já era bom, mas limitado por ser de gameboy. Samus Returns conseguiu ampliar a maravilha que é o jogo, aumentando as áreas e deixando-as com um visual encantador, com a jogabilidade de Super Metroid e Metroid Fusion.

Ele também é um jogo desafiador, mesmo no modo de dificuldade padrão. Você vai morrer muitas vezes, se frustrar e ainda se perder pelo caminho vez ou outra. Também vai detestar ver tantos metroids, mas vai amar o clima tenso em certas partes. Algumas músicas são boas, mas em boa parte do jogo você vai sentir falta delas. As novas habilidades também estão aí pra ajudar na jogatina e você pode experimentá-las de diferentes formas.

Um jogo que vale a pena!

One Reply to “Samus Returns – Explorando o jogo”

Rabisque abaixo

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s