Depois de tanto caminhar, finalmente o encontrei. Ele se sentia só naquela rua sem movimento, numa noite fria e chuvosa. Estava usando uma jaqueta de couro branca, com uma camiseta branca, calça branca e o tênis branco. Seus cabelos tão bem alinhados, mas seu olhar se colocava assustado ao me ver. Eliminei toda voz e todo ruído para poder ser escutado. Decidido, me aproximei.

Não me lembro de quando nasci, apenas de ter sentido grande áurea negativa próximo a mim, oriunda de tanto ódio, tristeza e dor brotadas de repente. Pessoas tão amadas já não tinham o mesmo carinho, pequenas coisas ruins deixadas de lado já ocupavam um maior espaço de raiva.

Mais consciente, percebi que éramos duas pessoas dentro de um único ser. Enquanto ele era a esperança, o amor, a felicidade, eu era o a impaciência, o rancor e a tristeza. Com tanta coisa negativa acontecendo, dificilmente entrávamos em comum acordo. Aquilo nos irracionaliza e não nos permitia sair do lugar. Por isso, nos isolamos, tentando buscar um novo caminho, em comum acordo.

Mas eu era a impaciência. Não queria ceder nada. Então, cada um foi para um lado. Andei por trevas, infelicidade, por caminhos sombrios, difíceis de serem descritos. Passei um bom tempo alimentando ódio por aqueles que me fizeram sofrer, que me fizeram mudar quem eu era. Escrevi o nome de cada um para nunca me esquecer do terror que me causaram. Cada plano, cada passo, muito bem detalhado.

Mas a vingança não é o melhor caminho e eu sabia que aquele nunca foi e nunca será eu. Estava confuso, entrava em desespero, precisava reencontrar minha luz, recomeçar. Corri de volta ao início, demorei, me avistei. Meu eu-luz estava sentado no chão, sozinho, sem direção. Aproximei-me devagar. Mesmo tão opostos, ainda tínhamos uma conexão e, quando estávamos próximos, nos abraçamos, apertados.

Era uma sensação estranha. Sentia repulsa em nosso abraço. Era desconfortável, mas necessário. Ele sentia medo, eu sentia o mesmo.

“Por favor, ajude-me a fugir da escuridão que me tornei. Não vai ser fácil, mas talvez juntos possamos descobrir um meio de nos tornarmos um novamente, com todas emoções de forma equilibrada, racionalizados de que nenhuma delas vá nos derrubar daqui para frente. Eu preciso de você, não me abandone agora. Por favor, me salve. Há um grito forte de desespero entalado minha garganta”.

Parte 2 de 2 do conto

Rabisque abaixo

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s