Um pouco fundo em meu coração
Habita triste tua doce voz
Que eu temo ser
O nosso adeus
Deixando-me abraçado à solidão.

Noites em claro, dias tão escuros.
Uma lembrança, uma lágrima
O que vou fazer? Pra me erguer de vez?
Sempre repito: “é a última vez”
Mas volto a cair, quando penso em ti…
Não tem como fugir.

Como vou te esquecer? Se te vejo em todos,
Se o último beijo te prendeu aqui dentro
Como vou te esquecer? Se em mim estás gravado,
Se o último abraço levou de mim um pedaço…

Me levou um pedaço,
Me deixou em pedaços,
Me levou, num abraço,
Me levou e não mais regressou…

Ainda encontro algum antídoto
E entendo, um dia, que tudo acabou.
Posso até sair e, então, permitir
Ao meu destino, uma chance mais
Mas volto a cair, pois não sei fingir…
Ainda há algo em mim

E como vou te esquecer? Se ainda há muito aqui dentro
Se em todos os meus medos, estiveste por perto
E não posso esquecer-te, não sei viver desse jeito
Se ainda há muito no peito, não se vai de repente…

E o que eu posso fazer?
Se não sei te esquecer…
E o que eu posso fazer?
Se já não sei mais viver…

Não sei como, não sei o quanto
Tuas lembranças, machucam tanto
Não sei como, não sei o quanto
Esquecer-te, machuca tanto…

Mas não posso esquecer-te
Não há como esquecer-te
Não tem como esquecer-te
Eu não sei esquecer-te…

(Minha versão de Y no puedo olvidarte – RBD)

Rabisque abaixo

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s