Frente ao mar, sozinho, sigo sentado num banco já deteriorado pelo tempo, enquanto as ondas batem na areia, por conta do vento. Nem o céu nublado pode afastar as pessoas de caminharem de mãos dadas, enquanto as crianças correm, pulam e se divertem na areia, cavando buracos, se enterrando e construindo castelos. 

Com um pouco de atenção, vejo os seus sorrisos. Eles seguem felizes aproveitando aquele clima gostoso. Eu poderia estar ali, curtindo como sempre, mas algo em mim me travou hoje. Só o que eu quero é sentir o vento bater em meu silêncio, enquanto tento criar outro final de uma história presa em minhas lembranças. 

As risadas me dispersam. A menininha com a cara cheia de protetor solar e boias nos braços corre para o mar. Ela para, olha, coloca seu pezinho e volta correndo dizendo para sua mamãe que a água estava gelada. A mãe sorri e diz que está tudo bem. Seu pai a carrega nos ombros e a leva para o mar, com aquele jeito de herói, para mostrar a ela que não deve temer nada. E, então, joga um pouquinho de água em seus cabelos, fazendo-a gargalhar. 

A onda se acalmava, mas não em meu coração. Sei lá, não sou de ficar assim, mas por alguma razão, hoje essa tristeza gritou dentro de mim. Olhar para aquelas pessoas aumentou meu sentimento de querer estar ali, no lugar deles, sentindo sua felicidade. Poderíamos ser apenas nós, com nossas crianças, para que eu não estivesse aqui desejando o que não pude ter. 

Olho para trás quando alguém me chama. Era você, me perguntando o que eu estava fazendo. “Nada”, eu respondia. “Estava apenas em meus pensamentos”. Você sorri e nos encontramos com nossos amigos, para zoarmos um pouco pela cidade. Desde que decidimos sermos apenas amigos, contra nossa vontade, nunca mais tocamos no assunto. 

Vejo o sorriso que você carrega, mas não me esqueço da lágrima daquela noite. Mesmo após meses num namoro escondido, éramos felizes, mas não livres. E por não poder amar alguém como eu e com receio de confrontar a quem dizia te amar, você me pediu pra te esquecer e eu, respeitando o que sentia por você, apenas te dei um “sim”. 

E no último beijo, abraçados no mesmo banco, nos despedimos em silêncio. 

Após nosso luto, decidimos cultivar nossa amizade. Nossos corações seguiram por outros rumos, mas ainda não encontramos ninguém que possa refazer nosso mundo. Hoje, seguimos em silêncio, sem saber o que o outro carrega, mas o que eu queria mesmo era gritar que, não importa quanto tempo passe, você será sempre a pessoa especial que meu coração guardará. 

Já se passaram seis longos anos de nosso adeus e mesmo que eu não chore mais, é difícil esquecer. Talvez eu ainda não me permita abrir mão do final feliz que um dia, nesta praia, eu não pude ter. 

Créditos da imagem: Background photo created by jcomp – www.freepik.com

Rabisque abaixo

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s