Eu já estava tremendo de tanto gritar. Aquela discussão não estava fazendo nada bem a mim. Eu repetia com veemência tudo aquilo que acreditava e nem me importava se a outra pessoa estava prestando atenção, se tentava manter a calma ou se gritava o oposto pra mim de volta. Eu só queria extravasar.

Discutir com alguém que temos um sentimento forte (seja ele qual for) machuca de duas formas. Primeiro, saber que alguém que temos grande consideração ter um pensamento completamente oposto ao nosso (e eu não digo apenas de preferências, mas de atitudes e pensamentos que julgamos errado por nossa vivência), princípios estes que lutamos anos para vencê-los e que hoje sabemos que é errado, mesmo que outras pessoas não vejam um problema sequer nisso. E segundo, pela própria briga.

Não é de lágrimas que firmo essa conversa, mas do quanto fiquei inquieto. Eu não dormi por dias, eu não me concentrava nos meus serviços, eu mal respondia direito às perguntas comuns que outras pessoas me faziam. A comida ficava ali parada no prato por minutos. Até o peito batia mais forte e me deixava descontrolado, sem ar.

Foi por meio de outro amigo, comum entre nós, que voltamos a nos falar. Ele me tratou como se nunca houvesse brigado comigo, e nossa amizade seguiu como sempre foi.

E, realmente, a briga realmente nunca aconteceu, pelo menos não com ele. Montei todo um espetáculo em minha cabeça onde desabafei tudo aquilo que eu queria – de uma leve “discussão” que realmente tivemos, mas que nem durou 5 minutos, mas que fiz questão de estender em meus pensamentos. Era aquela máxima de pensar que tudo o que me incomoda deveria externado – e, sim, deve! Mas para além de meus pensamentos, de outras formas e, de preferência, sem machucar alguém – mas eu insisto em criar uma tempestade em minha mente, a partir de uma chuvinha de primavera.

É isso que nos adoece – por dentro. A cabeça pesa, sente o ódio que corre nas nossas veias, nos anseia, nos deprime. É a briga que parte de nós e morre em nós, deixando alguma cicatriz. Não quer nos deixar em paz. Enquanto isso, há alguém do outro lado que poderia nos ajudar, mas insistimos na teimosia. Não seria melhor conversar de forma saudável pra tudo ficar bem?

Talvez não, talvez isso fosse pacífico demais quando somos a própria guerra.

Liberte-se dos pensamentos que te matam e deixe que seus olhos vejam que há menos importância naquilo que não nos fazem a pena.

Um abraço a todos.

Imagem de Masakazu Kobayashi por Pixabay

Rabisque abaixo

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s